Cemitério de Salinas faz 102 anos

Cemitério foi construído em 1909.

O atual cemitério de Salinas está localizado no centro da cidade em terreno doado por Dona Ana Maria de Araújo, no dia 15 de fevereiro de 1858, início da segunda metade do século XIX, quando Salinas ainda era distrito de Rio Pardo. Entretanto, o cemitério somente foi construído em 1909 a mando dos políticos mandatários Virgìlio Avelino Grão Mogol e João Porfírio Machado. Até então os mortos eram enterrados ao lado de igreja que ficava edificada em terreno onde está localizada a atual Escola Estadual Dr. João Porfírio, em frente à antiga praça do mercado velho. O cemitério de Salinas não comporta mais novos sepultamentos. Ainda assim precisa ser preservado pois grande parte de sua história está ali enterrada. Preservar a memória dos mortos é preservar a própria história.

Anúncios

Família salinense

(Fonte da imagem: Abdênago Lisboa/Apolo Heringer)

O livro Octacilíada: Uma Odisséia do Norte de Minas, de autoria de Abdênago Lisboa/Apolo Heringer, possui incríveis imagens antigas de famílias salinenses da primeira metade do século XX.

A imagem acima é uma raridade. Trata-se de um grupo de salinenses vendo-se o padre Jerônimo Lambin com Clemente Medrado de uma lado e André Fernandes Costa do outro. Ao lado deste está Antônio Corsino. O menino Deusdedit está assentado na cadeira. Dona Salu está ao lado de Dona Lau. Odete está atrás de André Costa. Ao lado dela está Maria Lúcia Brant. À esquerda e à frente de João Costa está Lera, mulher de José Miranda. Severina R. Medrado, filha do Coronel Idalino Ribeiro, está ao lado de Clemente Medrado. Osmany Ribeiro é o menino de mãos cruzadas atrás. Nair Sarmento ao lado de Dona Ciranda. Juraci Costa, atrás de Dona Ciranda. Dr. Djalma Oliveira, atrás de João Costa. Lera de José Miranda ao lado de Dona Ciranda. Dervina Oliveira, atrás de Osmany. Eurípedes de Placidina, ao lado de João Costa. Lindaura Almeida ao lado de Dona Laudelina Chaves Ribeiro. Carlota Chaves junto de Dona Salu, atrás da viga. Maria Lúcia atrás de Antônio Corsino. Dalva Oliveira, filha de Dr. Luiz, perto de Antônio Corsino, com a mão na trave. Aurentina, filha de Miro, ao lado. Zoroastro Medrado é o menino ao lado do Osmany e atrás do Deusdedit.

Octacilíada

O raro livro “Octacilíada: Uma odisséia do Norte de Minas”, de autoria do salinense Abdênago Lisboa (1916-1977) foi lançado em 1992 pelo filho Apolo Heringer Lisboa. Aborda a história da região de Salinas e seus costumes desde os tempos do Império (século XIX) até meados da década de 1970 (século XX). O livro possui, ainda, diversas árvores genealógicas de famílias salinenses e de outras regiões do Norte de Minas. Recomendo leitura a todo salinense que queira conhecer um pouco a história de sua terra… imperdível. O livro merece nova edição pelo seu valor histórico e cultural. O autor Abdênago Lisboa, além de pesquisador, escritor e poeta, foi o primeiro diretor da Escola Agrícola de Salinas.

Falece produtor da cachaça Teixeirinha

Faleceu em Montes Claros, dia 29/06/2011, aos 79 anos, o produtor da antiga cachaça Teixeirinha, Felismino Teixeira Costa. Natural de Salinas, nasceu no dia 23/04/1932, filho de Paulo Teixeira Costa e Josefa Maria do Rosário. Separado de Carlota Auxiliadora Brito, deixou os filhos Felismino Teixeira Costa Filho, Geraldo Cesar Costa, Maria Auxiliadora Costa, e Paulo Raimundo Costa. Foi enterrado no cemitério municipal de Salinas no dia 30/06/2011. O blog História de Salinas externa condolências à família pela enorme perda.

Município de Salinas foi criado há 130 anos

Antiga praça do mercado velho de Salinas.

Por Roberto Carlos Morais Santiago
Há 130 anos, no dia 18 de dezembro de 1880, foi criado o município de Salinas. Não é uma data qualquer para Salinas, muito pelo contrário, é a  mais importante em toda sua história desde 1790, no final do século XVIII, quando surgiu como povoado.
O município foi criado pela Lei Provincial nº. 2.725, de 18 de dezembro de 1880, no final do século XIX, ainda no Reinado de D. Pedro II. A lei foi assinada pelo vice-presidente da província de Minas Gerais, Cônego Joaquim José de Sant’Anna, na então capital Ouro Preto, cujo imenso território foi emancipando de Rio Pardo de Minas.
Infelizmente, data tão importante foi esquecida pelas autoridades do município. Equivocadamente, o município comemora como sendo sua data oficial o dia 04/10/1887 (Lei Provincial nº. 3.485). Não se questiona a importância desta data, pois esta foi somente o reconhecimento da vila de Santo Antônio de  Salinas como cidade. Nesta data, o município já existia, inclusive com instalação de sua 1ª. Câmara Municipal  no dia 18 de janeiro de 1883.
Como povoado, Salinas surgiu por volta de 1790, no final do século XVIII, ainda no período colonial. Considerando o período de surgimento do povoado, Salinas tem hoje 220 anos de história e quase ninguém se dá conta disso. De 1790 a 1833 foi povoado e integrava o município de Minas Novas do Fanado (atual Minas Novas). De 1833 a 1880, foi distrito de Rio Pardo de Minas. De 1880 até os dias atuais como município.
Salinas possui quatro datas importantes na sua história dignas de registro: 1790 (surgimento do povoado),  1880 (criação do município), 1883 (instalação da 1ª. Câmara Municipal) e 1887 (vila elevada a cidade). Somente a última é comemorada oficialmente. De qualquer forma, que fique claro que a data oficial deveria ser 18/12/1880, ou, na pior hipótese, 18/01/1883, data de instalação da 1ª. Câmara Municipal.
Do seio de Salinas foram criados vários municípios ao longo de sua história: Peda Azul (1911), Taiobeiras (1953), Águas Vermelhas (1962), Rubelita (1962), Fruta de Leite (1995), Novorizonte (1995) e Santa Cruz de Salinas (1995).
Figura como principal economia da microrregião de Salinas (Alto Rio Pardo), composta por dezessete municípios. A epopéia do povo salinense é digna de registro. Lembrar o passado salinense é dar o devido valor aos seus antepassados que tanto contribuíram para a Salinas de hoje ser o que é no cenário estadual e nacional, inclusive com o título invejável de Capital Mundial da Cachaça de Alambique. Viva Salinas!
Abaixo texto original da Lei nº. 2.725, de 18/12/1880, que criou o município de Santo Antônio de Salinas (em 1923 o município passou a se chamar somente Salinas – Lei Estadual nº. 843, de 07/09/1923 – tal como é até hoje):
…………….

LEI Nº. 2725, de 18/12/1880
(texto original)
CRIA O MUNICÍPIO DE SANTO ANTÔNIO DE SALINAS
O Cônego Joaquim José de Sant’Anna, Comendador da Ordem de Cristo e Vice-Presidente da Província de Minas Gerais: Faço saber a todos os seus habitantes, que a Assembléia Legislativa Provincial decretou, e eu, sancionei a Lei seguinte:

Art. 1º – Fica elevado à categoria de vila o arraial de Santo Antônio de Salinas, devendo ser a mesma instalada, depois que seus habitantes houverem oferecido à província os edifícios com as acomodações necessárias para câmara, cadeia e escolas de instrução primária.

§ 1º – O município desta vila se comporá das freguesias de Santo Antônio de Salinas, sua sede, e de Água Vermelha, ambas desmembradas do termo do Rio Pardo; ficará pertencendo à comarcado Grão Mogol, e terá todos os ofícios de justiça criados por lei geral.

§ 2º – As divisas da freguesia de Água Vermelha serão asmesmas do antigo distrito deste nome, compreendendo os lugares denominados Catinga e Pajão.

Art. 2º – Ficam revogadas as disposições em contrário.

Mando, portanto, a todas as autoridades a quem o conhecimentoe execução da referida Lei pertencer, que a cumpram e façam cumprir tão inteiramente como nela se contém.

O Secretário desta Província a faça imprimir, publicar e correr.

Dada no Palácio da Presidência da Província de Minas Gerais, aos 18 de dezembro de 1880.

Joaquim José de Sant’Anna
Presidente da Província

Primeiro automóvel de Salinas

Por Roberto Carlos Morais Santiago

A imagem acima refere-se a outros automóveis que chegaram a Salinas depois da chegada do primeiro automóvel, vendo-se padre Salustiano assentado no parachoque, o Coronel Idalino Ribeiro de mãos no bolso em pé, e Domingos Português com os braços cruzados e um cigarro de palha entre os dedos, no meio dos dois. Inácio Loyola e Antônio Corsino estão perto deles. José Chaves Ribeiro está, de branco, assentado dentro do primeiro carro chegado a Salinas (à esquerda na foto). Inácio Loyola de perna dobrada sobre o último Ford, O Aníbal de perna cruzada, assentado, ao lado do Cel. Idalino Ribeiro. Nego do Ó, de óculos escuros. João Costa e Balduino estão na borda da foto ao lado direito. Incontestavelmente é uma imagem histórica de Salinas. Um sinal de novos tempos e grandes desafios.

O primeiro automóvel a chegar na capital mineira, Belo Horizonte, foi um modelo Popp-Hart Ford, da empresa Trajano de Medeiros, em 1908, no início do século XX. Era símbolo da modernidade e provocou mudança no cenário urbano da capital mineira.

Em Salinas, Norte de Minas, o primeiro automóvel chegou no dia 16 de junho de 1925. Foi um acontecimento histórico de grande impacto na época. Até então o transporte de mercadorias e pessoas era feito por meio animais e carroças com dificuldades de toda ordem.

O automóvel foi um Ford oriundo de Brejo das Almas (atual município de Francisco Sá). Custou quatro contos de réis adquirido por Domingos Português. Estava com Domingos o seu patrício Anibal.

O vereador Mendo Correia apresentou projeto na Câmara e fez aprovar lei decretando feriado municipal pelo acontecimento histórico.

A chegada do primeiro automóvel em Salinas foi o fim de um ciclo de uma sociedade e economia que não conseguia prosperar pela falta de contato com o mundo exterior em face da enorme dificuldade de locomoção. Até então produtos chegavam por meio de tropas.

O primeiro automóvel em Salinas foi, também, o início de um novo ciclo de desenvolvimento e prosperidade. Em 1928 deu-se início a construção de estrada de rodagem ligando Salinas a Brejo das Almas (atual Francisco Sá). A iniciativa foi do Coronel Idalino Ribeiro (1879-1973), chefe político e Agente Executivo (equivalente ao atual cargo de prefeito) do município. A estrada ficou pronta em 1929.

O governador de Minas, Olegácio Dias Maciel, refez a estrada entre 1931 e 1933. Com a estrada a região de Salinas passou por radical transformação com grande impacto na economia, cultura e sociedade. Verdadeira revolução de costumes graças ao primeiro automóvel em Salinas em 1925, dirigido por Domingo Português e seu patrício Aníbal.

Atualmente, o único veículo remanescente da primeira metade do século XX existente em Salinas é o velho caminhão Chevrolet Lordmaster, ano 1947, de propriedade da família de Anísio Santiago (1912-2002). Encontra-se em excelente estado de conservação na fazenda Havana. O velho caminhão é testemunha de uma época de ouro que se foi no tempo. Restam apenas lembranças dos mais velhos que tiveram o privilégio de viver uma época de deslumbramento.

Literatura de Salinas

 

Literatura de Salinas.

Por Roberto Carlos Morais Santiago

Infelizmente, existem poucos livros sobre a história de municípios norte-mineiros, muito embora a região seja rica do ponto de vista cultural e histórico. Para quem quiser conhecer um pouco sobre a história de Salinas e região, recomenda-se a leitura dos livros listados abaixo. São raros, mas com um pouco de sorte podem ser encontrados na biblioteca municipal de Salinas. São ótimos livros que contam a história do município de Salinas sob vários ângulos. Vale um esforço para conferir a epopéia histórica de uma região tão rica culturalmente.

  • DIVERSOS AUTORES. Poetas de Salinas – Antologia. Salinas, Academia de Letras de Salinas, 2002.
  • ÂNGELIS, Newton de. Efemérides Riopardenses. Salinas: R&S Arte Gráfica, 1998, 4 volumes.
  • CRUZ, Mário Ribeiro da. Caso contado à sombra do mercado. Ed. Paz e Terra, 1995.
  • LISBOA, Abdênago. LISBOA, Apolo. Octacilíada: Uma Odisséia do Norte de Minas. Belo Horizonte: Canaã, 1992.
  • NEVES, Antonino da Silva. Corografia do Município de Rio Pardo. Belo Horizonte: Minas Geraes, 1908.
  • PIRES, Simeão Ribeiro. Raízes de Minas. Montes Claros, 1979.
  • SANTANA, Geraldo Paulino. O Caminho de Volta – A Travessia do Deserto. Belo Horizonte, 2004.
  • SANTIAGO, Roberto Carlos Morais Santiago. O Mito da Cachaça Havana-Anísio Santiago. Belo Horizonte: Cuatiara, 2006.